Palmer: Só vou cair em mim no avião de regresso a casa

Jolyon Palmer despediu-se da equipa, dos mecânicos e dos engenheiros em Suzuka, mas admitiu que ainda não se habituou à ideia de não voltar à Renault - e possivelmente à Fórmula 1.

O britânico será substituído por Carlos Sainz a partir do Grande Prémio dos Estados Unidos após um mútuo acordo com a Renault e afirma que é uma pena não poder realizar as últimas quatro corridas com a equipa.

Relacionadas

"É hora de dizer adeus", disse Palmer. "Não diria que haja algum alívio. Tem sido uma época difícil mas adoraria ficar até ao fim.

"Algumas coisas não posso controlar, mas claro que também queria ter feito melhor.

"Muito obrigado, primeiro aos meus mecânicos, que fizeram um trabalho muito bom ao longo do ano e repararam o meu carro várias vezes.

"Também aos engenheiros, tive uma boa relação de trabalho com eles. É uma pena que não tenha resultado, mas não posso culpá-los.

"Vou deixar alguns amigos aqui. Desejo a melhor das sortes à equipa e ao Carlos.

"Honestamente ainda não sei o que vou fazer. Para já vou passar algum tempo no sofá a descansar e a comer muito. Quando me sentar no avião a caminho de casa irei cair em mim e perceber que não voltarei à Renault - nem à Fórmula 1, talvez."

Palmer cumpriu no Japão a sua 35ª corrida pela Renault. Nesse período, o britânico somou nove pontos, com a maioria deles a terem surgido em Singapura há três semanas.