McLaren regressa ao laranja com o MCL32

A McLaren revelou hoje o seu monolugar de 2017, que apresenta um regresso a uma das mais míticas cores da equipa.

O MCL32 com motor Honda será conduzido por Fernando Alonso e pelo piloto que o substituiu no Bahrein no ano passado, Stoffel Vandoorne.

Relacionadas

É neste novo carro que a McLaren deposita as esperanças de um regresso ao topo, depois de em 2016 não ter ido além da sexta posição - quer em corrida, quer no campeonato.

O MCL32 segue os passos evolutivos dos seus antecessores, o MP4-30 e o MP4-31, mas não deixa de ser um carro revisto em todas as áreas, com o departamento de design da McLaren a procurar capitalizar os novos regulamentos introduzidos para 2017.

O resultado, diz a McLaren, é um carro extremamente elegante mas de aparência agressiva, equipado com a última geração da unidade de potência da Honda - a RA617H -, que foi completamente revista pela equipa de engenheiros da empresa japonesa.

Novas regras constituem oportunidade valiosa

"Dentro da McLaren-Honda há uma sensação tangível de progresso e mudança", referiu o diretor de corrida Eric Boullier. "As novas regras de 2017 são uma oportunidade valiosa para nós, já que nos permitem avançar com o que consideramos ser um pacote chassi/motor bem definido, que deverá estreitar a diferença para as equipas da frente.

"A adição de um esquema de cores com laranja e preto reforça a noção de que nos estamos a afastar do legado dos últimos anos, mas o que realmente me impressiona no MCL32 é o detalhe de engenharia."

Progresso da Honda

O MCL32 é o terceiro McLaren a usar motores Honda, e a RA617H apresenta grandes novidades em termos de conceito e layout.

"Baixar o centro de gravidade e diminuir o peso foram as nossas prioridades, de modo a melhorar o equilíbrio do carro", comentou Yusuke Hasegawa, chefe do projeto F1 da Honda.

"Além disso, devido aos novos regulamentos que afetam fundamentalmente a conceção do nosso carro, a Honda levou a cabo uma série de mudanças para acomodar o novo chassi. A equipa, portanto, trabalhou arduamente durante todo o inverno para encontrar um equilíbrio ideal."