Ferrari vê limites de pista como "principal problema" do Catar: "Ruim para o show"

Frédéric Vasseur, chefe da Ferrari, admitiu que já esperava um festival de punições pós-corrida por causa dos limites de pista e enfatizou que é um problema muito ruim para a F1

Além de todo o caos causado pelo extremo calor e os problemas com os pneus no GP do Catar, os limites de pista também foram apontados como um dos destaques negativos. Depois de reclamações dos pilotos, Frédéric Vasseur, chefe da Ferrari, apontou que esse foi, inclusive, o maior problema para a escuderia de Maranello no circuito de Lusail.

“Honestamente, para mim, a situação dos pneus é uma coisa, mas eu diria que o maior problema para mim no fim de semana são os limites da pista”, disse ele. "Você sabe que quando for para Spielberg terá problemas com limites de pista e nós tivemos problemas com limites de pista. Você obtém os resultados duas horas após a corrida. E quando chegamos antes do fim de semana, dissemos exatamente a mesma coisa. que seria um festival. E foi um festival", seguiu.

Relacionadas

:seta_para_frente: Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
:seta_para_frente:Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Ferrari viu muitos problemas com os limites de pista no Catar (Foto: Ferrari)

Durante as 57 voltas da prova, houve 51 infrações. Ao todo, sete punições de 5s foram aplicadas a quarto pilotos diferentes.

“Não é nem bom para o show. Pelo menos no pit-wall você você pode acompanhar tudo, sabe onde está e assim por diante. Mas estou pensando nos caras que estão na frente da TV. Eles não têm todas as imagens e veem, do nada, Gasly com 5s, Gasly com 10s, Gasly com 15s. Temos de pensar também nisso, acho que podemos antecipar esse tipo de questão", concluiu Vasseur.

Mohammed Ben Sulayem, presidente da FIA, prometeu medidas. Para o emiratense, as questões relacionadas à linha branca no GP do Catar já haviam protagonizado outra etapa do ano, na Áustria, e simplesmente não podem ficar se repetindo. Caso isso não seja resolvido, segundo ele, existe a possibilidade de retirar a categoria desses locais. Vale destacar que Spielberg é a casa da Red Bull, atual bicampeã de Equipes e tri de Pilotos.

“Tivemos os mesmos problemas na Áustria, foram 1.200 [violações aos limites de pista] lá. E preciso dizer, parabéns aos comissários por terem visto. Mas essa é a solução? Não”, disse o mandatário da FIA ao portal inglês Motorsport. “A solução é melhorar a pista. Sei que alguns são resistentes a isso, mas, para dizer a verdade, se não fizerem, não há corrida”, determinou.

“É simples assim. Não podemos aceitar isso”, destacou. “Temos de trabalhar em uma solução. Uma delas é tornar o chão escorregadio quando eles saírem. Ninguém pode parar os pilotos além deles mesmos”, admitiu.

Fórmula 1 volta daqui a duas semanas, entre os dias 20 e 22 de outubro, em Austin, com o GP dos Estados Unidos, o primeiro da última perna tripla da temporada. E o GRANDE PRÊMIO acompanha tudo.