Pol Espargaró é liberado por médicos para voltar à MotoGP: “Mal posso esperar”

Pelas redes sociais, Pol Espargaró anunciou que já é considerado apto para retornar à MotoGP no GP da Grã-Bretanha na próxima semana

Pol Espargaró conseguiu. 124 dias após o forte acidente que sofreu no segundo treino para o GP de Portugal, o catalão anunciou pelas redes sociais que está “apto para correr” no GP da Grã-Bretanha de MotoGP da próxima semana.

No primeiro dia da temporada 2023, o irmão de Aleix caiu na curva 10 de Portimão e atingiu a barreira de pneus. Ele teve de ser socorrido ainda na pista e foi levado e ambulância direto para um hospital próximo. Mais tarde, a classe rainha confirmou que o #44 sofreu “uma contusão pulmonar, fratura na mandíbula e fratura em uma vértebra dorsal”.

Pol Espargaró vai retornar à MotoGP em Silverstone (Foto: GasGas)

Relacionadas

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Meses depois, Pol deu detalhes das lesões e revelou que chegou a chorar de dor, além de não conseguir se reconhecer diante do espelho por conta do peso perdido.

“Quando estava no hospital, depois da queda, tinha tantas fraturas no meu corpo que não conseguia sentir qual era mais dolorosa. O nível de dor estava nas nuvens, na lua. Era tanta. E eu estava cheio de analgésicos”, revelou o piloto de 31 anos durante uma visita ao paddock da MotoGP em Assen. “Mas quando comecei a despertar, podia sentir de onde vinha a dor. E foi duro. Em um momento, a dor vinha da boca, aí do pescoço, das costas, das costelas… Eu estava com tantos problemas no meu corpo que estar nessa situação depois de três meses é um milagre. Fiquei muito satisfeito”, comentou.

A demora para voltar às pistas, porém, se deu por causa das muitas fraturas de vértebras sofridas por Pol, que tardaram a consolidar.

“A três, a seis e a oito. A da seis não foi tão ruim, curou rapidamente, junto com a outra. Mas a 8, ela se partiu em quatro, além de ter perdido um pouco da altura da vértebra. Bom, não um pouco, bastante. Então é por isso que está levando um pouco mais de tempo para curar”, explicou no mês passado. “Eu poderia pilotar agora com as outras, estão mais duras do que antes, pois o osso cobriu. Mas a outra está levando um pouco mais de tempo”, seguiu.

“Com certeza, eu perdi 1,5 cm [de altura]. Mas, tudo bem, sou casado, tenho duas filhas, não ligo para isso! Mas, com certeza, vai levar mais algumas semanas, duas ou três mais, até que esteja completamente curado”, calculou.

Agora, o piloto confirma que já foi liberado para voltar à ativa. Antes de subir na moto, porém, o #44 terá de ser avaliado pela equipe de pista, liderada pelo Dr. Ángel Charte, como determina o protocolo da MotoGP.

“Apto para correr no GP em Silverstone”, escreveu Pol no Instagram. “Mal posso esperar para pular na minha GasGas e botar para quebrar”, seguiu.

“Vou precisar de um pouco de tempo, mas vou dar tudo de mim”, assegurou. “Obrigado a GasGas Tech3 e as equipes da AGV Helmets e da Dainese pela paciência e pelo amor. Vou retribuir!”, assegurou. “Também agradeço todos os médicos que me ajudaram ao longo do processo da lesão e, com certeza, a todos vocês pelas mensagens doces que, ao longo desses últimos meses, me deram asas. Que comece o show”, acrescentou.

Antes de encerrar, Pol deixou uma mensagem à esposa Carlota Bertran: “Te amo”.

MotoGP está de férias e volta à ativa apenas entre os dias 4 e 6 de agosto para o GP da Grã-Bretanha, em Silverstone. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do Mundial de Motovelocidade 2023.

Em crise, Honda pode perder Rins para Yamaha já em 2024