Marc Márquez confirma problema com visto e revela voo atrasado para Índia

Marc Márquez confirmou que ainda não tem visto para a Índia, país que recebe a MotoGP neste fim de semana

Além da espera pela homologação da pista de Buddh, as equipes sofrem mais um drama às vésperas do GP da Índia: vistos para entrarem no país. Várias equipes do Mundial de Motovelocidade ainda não conseguiram vistos para entrar no país. É o caso, por exemplo, da Honda.

Em contato com o GRANDE PRÊMIO, a equipe de Marc Márquez Joan Mir confirmou que apenas três integrantes da equipe já dispõem de vistos, de um total de cerca de 50 pessoas. Ou seja, apenas cerca de 6%. Nesta terça-feira (19), inclusive, o hexacampeão da classe rainha postou foto dizendo que seu voo para Índia foi atrasado por ainda não ter visto.

Relacionadas

:seta_para_frente: Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
:seta_para_frente:Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Marc Márquez em sua conta no Instagram (Foto: Reprodução)

KTM é outra que ainda não conta com todas as permissões de entrada. Em contato com o GP, um porta-voz da equipe afirmou que, “assim como todo mundo, também estamos esperando pelos vistos, mas estamos confiantes de que vamos recebê-los a tempo. Assim, não estamos preocupados”.

A VR46 recebeu o último visto de que precisava na manhã de domingo e embarca nesta segunda-feira rumo ao país asiático. LCR HondaApriliaRNF ApriliaDucati Yamaha já contam com os documentos, com as duas últimas informando ao GRANDE PRÊMIO que viajam também nesta segunda-feira. Pramac Tech3 ainda não responderam ao pedido de informações da reportagem.

Equipes de Moto3 Moto2 também enfrentam problemas. A Italtrans, por exemplo, confirmou a GP que “menos da metade da equipe” já conta com os documentos. Outra estrutura tampouco tem as liberações totais. O time, que pediu ao GRANDE PRÊMIO para não ser identificado, revelou que cerca de 80% dos integrantes contam com as liberações, mas os documentos restantes tinham sido prometidos para domingo. A Ajo também confirmou problemas com os vistos, mas não citou o número de afetados.

elas redes sociais, o jornalista inglês Simon Patterson destacou que a imprensa também enfrenta problemas. O repórter explicou que ele mesmo não possui a documentação, ainda que tenha usado a agência indicada pela Dorna, a promotora do Mundial de Motovelocidade, para solicitar o visto com antecedência.

Consulado Geral da Índia em São Paulo, por exemplo, afirma na página na internet que o tempo de processamento via consulado pode levar de um a três dias úteis, mas, em casos específicos, como visto de trabalho, o prazo pode ser de até sete dias úteis.

MotoGP retoma as atividades no fim de semana do dia 24 de setembro, com o GP da Índia, a ser disputado em Buddh. O GRANDE PRÊMIO faz a cobertura completa do evento, assim como das classes menores Moto2 e Moto3.