Martín faz sprint impecável na Índia e aumenta ameaça a defesa de título de Bagnaia

Francesco Bagnaia ainda tem uma polpuda vantagem na liderança do Mundial de Motovelocidade, mas o bom momento de Jorge Martín já representa uma ameaça crescente ao bicampeonato do #1

Francesco Bagnaia que se cuide, porque Jorge Martín está em campo para o jogo. Irrepreensível na corrida sprint do GP da Índia, o espanhol da Pramac foi dominante neste sábado (23) e deu mais uma bicadinha na liderança do campeão vigente da MotoGP.

A força de Martín já não é nenhum mistério. O espanhol da Pramac chegou ao circuito de Buddh com duas vitórias e cinco pódios em GPs e três triunfos na sprint. E, mesmo em um dia caótico no estreante traçado indiano, mostrou força desde o início das atividades.

Jorge Martín dominou a corrida sprint (Foto: Gold & Goose/ Red Bull Content Pool)

Relacionadas

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Ainda tenha sido derrotado por Marco Bezzecchi na classificação — por só 0s043 —, Martín não se deixou abalar. No apagar das luzes para uma reduzida corrida sprint — reflexo de um pedido dos pilotos, graças ao forte calor —, o #89 saiu muito bem, se colocou no comando logo de cara e disparou na ponta para não ser mais alcançado. Ao fim das 11 voltas, viu a bandeirada 1s389 antes de Bagnaia.

Com o resultado da sprint, Martín corta outros três pontos da margem de Bagnaia, que caiu para 36 pontos. A maior parte da gordura de Pecco na classificação foi derretida com o abandono no GP da Catalunha, fruto de uma queda assustadora. O #1 já teve uma margem de 63 tentos na busca pelo bicampeonato.

Com 284 pontos ainda em disputa, as chances estão completamente abertas. Se Bagnaia vinha sendo muito forte na primeira fase do campeonato, o GP da Catalunha deixou um prejuízo importante. Mesmo que tenha sabido minimizar o impacto no GP de San Marino e da Riviera de Rimini, o irmão de Carola e Filippo inadvertidamente deu ao adversário o gás necessário para o restante do jogo.

“Não sabia como seria a corrida. Rodamos pouco aqui e era tudo novo, mas tentei escapar um pouco na primeira volta. Cometi muitos erros, mas, mesmo assim, vi que escapava um pouquinho e fui imprimindo um ritmo forte para manter a vantagem”, explicou Jorge. “A partir daí, tentei manter o ritmo nas primeiras voltas para ver a resposta dos pneus para amanhã e o desgaste, além de manter a distância em relação a Bagnaia para que ele não se aproximasse muito”, seguiu.

Neste sábado, o espanhol de Madri se livrou da ameaça de Marco Bezzecchi ainda nos primeiros metros, após o piloto da VR46 cair para o fundo do pelotão depois de um toque com Luca Marini. O ritmo do #72, porém, o coloca como uma ameaça para domingo.

“Tenho certeza que vamos melhorar amanhã, porque entendi em quais curvas preciso mudar um pouco a eletrônica, e também porque tinha uma margem guardada, que não precisei usar hoje e que, certamente, teria de sacar amanhã, como aconteceu em Misano”, recordou.

Quem sente que deu sorte com o revés de Bezzecchi é Bagnaia, que acredita que poderia ter perdido ainda mais pontos não fosse o incidente entre os pupilos de Valentino Rossi.

“Tivemos muita sorte de que as condições foram melhores na corrida. Estou curtindo o circuito, é muito bonito. Fizemos uma boa corrida, mas terminar em segundo hoje era o máximo que poderíamos fazer. Temos de estar contentes”, avaliou Pecco. “Tive sorte de que Bezzecchi teve problemas, o acidente da primeira curva, porque, do contrário, seria terceiro outra vez”, assumiu.

“Nos falta algo na frente. É onde normalmente fazemos a diferença e isso está me custando muitíssimo nas últimas corridas. Precisamos entender o motivo”, afirmou.

Bagnaia acredita que é possível melhorar para a corrida de domingo, mas segue vendo os freios como o calcanhar de Aquiles.

“Não tenho confiança nenhuma ao soltar os freios. Já melhoramos bastante desde a sexta-feira, mas quando tenho de frear, preciso apertar muito e, até que tenha parado bem, não posso entrar na curva, como normal”, explicou. “Isto nos fazer perder muito tempo na metade da curva. Como disse, vamos trabalhar como sempre, com serenidade, o que é importante. Já sabemos que é uma coisa que precisamos ver. Seguramente, amanhã será diferente”, garantiu.

A largada do primeiro GP da Índia da história acontece às 7h (de Brasília) deste domingo (24)GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do Mundial de Motovelocidade 2023.