Morbidelli põe prioridade na Yamaha e explica declaração polêmica: “É bom me defender”

Franco Morbidelli afirmou que questionar se quer ou não seguir com a Yamaha foi uma maneira de se impor e defender para que alguns entendam que o ritmo dele neste ano não é tão diferente do de Fabio Quartararo. Ítalo-brasileiro destacou que segue em conversas contratuais

Franco Morbidelli afirmou que estava se “impondo e defendendo” ao questionar se deseja seguir com a Yamaha em 2024. O ítalo-brasileiro assumiu que seguir com a marca dos três diapasões é uma prioridade, mas explicou que tentou fazer algumas enxergarem que o ritmo dele na MotoGP 2023 não é tão diferente do de Fabio Quartararo.

Na semana passada, durante o fim de semana do GP da Itália, uma entrevista de Franco ao site oficial da MotoGP ganhou enorme repercussão, pois, ao ser questionado se via o resultado em Mugello como um auxílio para manter a vaga na equipe de Iwata, o #21 rebateu: “Eu quero garantir outro ano com a Yamaha?”.

Franco Morbidelli frisou que tem Yamaha como prioridade, mas deixou negociação com a VR46 (Foto: Yamaha)

Relacionadas

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Nesta quinta-feira (15), já em Sachsenring para o GP da Alemanha do fim de semana, Franco teve de explicar as declarações e afirmou que foi apenas um maneira de se defender da pressão constante.

Perguntado sobre os comentários que fez na semana passada, Franco respondeu: “Aparentemente, a entrevista fez muito barulho. Muitas pessoas falaram comigo sobre aquela entrevista”.

“De qualquer forma, é bom me impor, me defender e fazer não só os jornalistas, mas também a imprensa e as pessoas perceberem que a minha velocidade, no momento, é muito aceitável, pois é compatível com a velocidade do campeão [de 2021] e do cara que sempre foi capaz de fazer uma enorme diferença em relação aos companheiros de equipe”, apontou. “Depois deste quarto de temporada, [o ritmo dele] é muito similar ao meu. Parece que alguns de vocês não estão percebendo isso e ficam me perguntando constantemente se eu tenho esperança do meu contrato ser renovado e se esperava que a Yamaha fosse me manter”, rebateu.

Passadas as seis primeiras corridas do ano, Franco soma 46 pontos e ocupa a 12ª colocação no Mundial de Pilotos, oito pontos atrás de Quartararo, que aparece em nono na classificação.

“Foi bom me defender e abrir alguns olhos. Em relação ao futuro, ainda estamos discutindo. Nada está claro. Gianluca Falconi, da VR46, está lidando muito bem com isso, como sempre, como ele sempre fez na minha carreira”, apontou. “Estamos juntos há muitos anos, confio plenamente nele, confio totalmente na VR46. Acredito que vamos fazer a melhor escolha possível”, garantiu.

“Não é segredo que tenho um carinho especial pela Yamaha. Sempre estive na MotoGP basicamente com a Yamaha, com exceção do primeiro ano. E consegui ótimos resultados com a Yamaha”, lembrou. “Não alcancei os resultados que gostaria com a equipe de fábrica. Estou planejando isso e um dos meus objetivos quando me juntei a esta equipe era este”, insistiu.

Questionado se a Yamaha é prioridade para 2024, Morbidelli respondeu: “Sim. Estou esperando pela melhor escolha possível, mas se você quer saber mais, precisa falar com Gianluca Falconi”.

MotoGP volta neste fim de semana com o GP da Alemanha, em Sachseniring. GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do Mundial de Motovelocidade 2023.

Honda precisa de solução urgente para parar de machucar pilotos