Mir se prepara para "mais pressão" e assume que Honda vive "momento difícil"

Às vésperas da estreia pela marca, espanhol admitiu que a pressão de vestir o uniforme da Honda é grande, já que a vitória é o único bom resultado. Ainda assim, o #36 assumiu que o momento não é positivo para a montadora

Joan Mir reconheceu que chega à Honda em um “momento difícil” na MotoGP. Apesar das claras dificuldades encaradas pela RC213V, o espanhol considerou que a pressão é alta, já que na marca da asa dourada, a vitória é o único resultado que interessa.

Apesar do histórico vitorioso na MotoGP, a Honda vai para a temporada 2023 em baixa. Dependente de Marc Márquez, a construtora sofreu no ano passado com mais uma ausência do espanhol por causa de uma quarta cirurgia no braço direito — ainda resultante da fratura sofrida na abertura do campeonato de 2020 — e também problemas de visão, e acabou na última colocação do Mundial de Construtores.

Joan Mir chega com os pés no chão, sabendo das dificuldades da Honda (Foto: Repsol)

Relacionadas

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Sendo assim, a pressão é alta na fábrica japonesa, que tenta reagir ao crescimento da concorrência e colocar a RC213V de volta aos trilhos.

Além de tentar recuperar a forma, a Honda também fez uma mudança na composição do time, com Mir chegando para assumir o lugar de Pol Espargaró ao lado de Marc Márquez. Depois de quatro anos de Suzuki e com um título da MotoGP na bagagem, o piloto de Palma de Maiorca chega ciente da pressão extra de vestir o uniforme japonês, mas também sabendo que o momento não é dos melhores.

“Claro, ser parte desta equipe significa mais pressão, pois só a vitória é um bom resultado aqui”, disse Mir. “Sabemos que chegamos em um momento difícil, mas a abordagem às corridas tem de ser a mesma: tentar ser o mais rápido que pudermos para levar essas cores ao lugar que elas merecem”, seguiu.

Perguntado se, durante o teste de Valência, quando estreou a bordo da RC213V, teve a chance de aprender algo com Marc Márquez ou se surpreendeu com o novo companheiro de equipe, Mir respondeu: “Durante o teste, pude fazer algumas voltas com ele e compartilhar alguns dados. Ele sabe perfeitamente como essa moto funciona. Ele é capaz de pilotar da maneira que a moto pede: entrando realmente rápido nas curvas, que provavelmente é mais rápido do que as motos que testei no passado. Aí, a maneira que a moto entrega potência é diferente das motos que eu testei antes. Eu preciso me acostumar, e Marc sabe muito bem como fazer isso”.

“Compartilhar os boxes com Marc será um verdadeiro desafio, porque ele é o melhor piloto do grid e o que tem mais títulos”, assumiu. “Isso é algo que pode ser realmente bom por um lado e, provavelmente, mais difícil por outro. Podemos compartilhar dados com ele e posso aprender muito do lado de dentro, mas, se não atuar da maneira que quer, sempre terá um piloto forte do outro lado da garagem”, concluiu.

‘QUEM não tem MEDO de MARC MÁRQUEZ é LOUCO?’ Não é bem assim… | GP às 10