“Fomos duros demais”: muros preocupam, mas pilotos se surpreendem com Buddh

No primeiro contato com a pista do GP da Índia, os pilotos da MotoGP mostraram uma reação positiva a traçado projetado por Hermann Tilke. Ainda que tenham mencionado que alguns muros estão próximos demais, o balanço foi de que o traçado está ok em nível de segurança

O primeiro contato dos pilotos da MotoGP com a pista de Buddh foi positivo. Às vésperas do início das atividades do GP da Índia, os pilotos conheceram a pista a pé e, ainda que tenham citado a proximidade de alguns muros, o saldo geral foi positivo.

A MotoGP desembarcou na Índia sem que o traçado localizado em Greater Noida tivesse a homologação máxima exigida pela FIM (Federação Internacional de Motociclismo). Embora a organização do campeonato tenha tentado minimizar a ausência do certificado, os competidores se mostraram incomodados e pressionaram por informações antes da viagem.

Buddh surpreendeu positivamente no primeiro contato com os pilotos (Foto: KTM)

Relacionadas

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Agora, após um primeiro contato com a pista, os pilotos aliviaram a pressão. Pol Espargaró, que sofreu um fortíssimo acidente no início do ano, em Portimão, quando colidiu contra o muro após uma queda, apontou que a barreiras estão muito próximas no trecho das curvas 2 e 3, mas avaliou que o mesmo acontece em outras pistas do calendário.

“Andei nela duas vezes ontem. E corri uma vez esta manhã”, contou Pol. “Honestamente, acho que fomos um pouco duros demais antes de vir para cá e ver como realmente era. Acho que é muito melhor do que todos nós esperávamos, acredito”, seguiu.

“Em relação à segurança, com certeza tem algumas coisas que podem ser melhoradas. Mas acredito que todas as pistas do mundo têm lugares que gostaríamos de melhorar. E aqui, com certeza, precisamos entender, principalmente [em relação ao que pode acontecer] correndo e caindo”, apontou. “Diria que não há nada critico, mas, com certeza, alguns lugares podem ser melhorados. Mas, como disse, acredito que formos muito duros antes de vir para cá. E, para mim, olhando o layout e como ele é feito, pode ser um dos mais divertidos do ano, com subidas e descidas, as curvas bem diferentes, tem muita inclinação em algumas curvas. É algo diferente e parece muito, muito divertido”, avaliou.

Miguel Oliveira, que venceu na estreia das pistas de Portimão, em 2020, e Mandalika, em 2022, também se mostrou positivamente surpreso com o traçado.

“Sim, é bom. É um layout interessante. Tem uma grande reta, mas o resto parece muito divertido. Olhando de fora, parece que a segurança é o bastante para pilotarmos. Parece promissor. Vamos ver amanhã”, falou Oliveira.

Takaaki Nakagami, por sua vez, saiu do track walk com a impressão de alguns muros são próximos demais.

“Andei pela pista nesta manhã com a minha equipe para checar o layout. Vi o layout da última vez em Misano, durante a Comissão de Segurança, e pareceu muito bom, mas a dúvida é a segurança… Em algumas áreas, parece que o muro é próximo demais. Mas vamos ver. A primeira impressão é ok”, avaliou.

Luca Marini falou com a imprensa antes de poder caminhar pela pista, mas destacou que os pilotos vão se reunir nesta quinta-feira, como estava previamente acordado. Já em Misano, os competidores fizeram uma reunião prévia à Comissão de Segurança, combinada apenas entre eles, via WhatsApp.

“Ainda não sei muito, pois não acompanho grupo, eles mandam muitas mensagens! Estou um pouco atrasado, então vamos ver. Mas parece que vamos nos encontrar nesta noite, acho. Mas não sei do que vamos falar”, contou.

Por fim, Pol Espargaró manifestou preocupação com o forte calor na Índia. A previsão do fim de semana é que as temperaturas variem entre 23 e 34°C.

“Não é pior do que, por exemplo, Malásia, Indonésia ou Tailândia. É bem similar. A umidade é elevada. Bebo água em todas as horas do dia, o que é normal nessas corridas na Ásia”, indicou.

Nakagami, por outro lado, se disse surpreso com o forte calor.

“Para ser sincero, eu não esperava o calor. É muito quente! E, sim, será bastante difícil para a corrida longa. Mas talvez eu esteja melhor acostumado a isso do que os pilotos europeus”, encerrou.

O primeiro treino da MotoGP para o GP da Índia, em Buddh, está marcado para 2h45 (de Brasília), de sexta-feira. O GRANDE PRÊMIO faz a cobertura completa do evento, assim como das classes menores Moto2 e Moto3.

Morbidelli cai para cima com acerto com Pramac para temporada 2024 da MotoGP