Aprilia responde rumores de interesse da Honda: “Meus pilotos não vão a lugar nenhum”

Chefe da Aprilia, Massimo Rivola respondeu aos rumores de que a Honda está interessada em Maverick Viñales ou Miguel Oliveira para substituir Marc Márquez. Dirigente destacou que o contrato do português não conta com cláusula de saída em caso de oferta de equipe de fábrica

Chefe da Aprilia, Massimo Rivola garantiu que não vai perder nenhum dos pilotos da marca para a Honda. O dirigente sublinhou o interesse da casa de Noale em manter Aleix Espargaró, Maverick Viñales, Miguel Oliveira e Raúl Fernández no lugar em que estão.

Antes mesmo de a saída de Marc Márquez da Honda ser anunciada, começaram a circular rumores de um interesse da montadora da asa dourada em Maverick Viñales. O próprio Rivola também chegou a ser alvo de especulações.

Massimo Rivola disse que contrato de Miguel Oliveira não tem cláusula de saída (Foto: RNF)

Relacionadas

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Nos últimos dias, ganharam força rumores de que Oliveira também era um alvo, mas Massimo deixou claro que não quer perder nenhum dos titulares.

Em meio a todos esses rumores, Rivola brincou: “Vou para a Honda junto com Maverick e Miguel”.

“Não tenho muito a comentar. Não sei nada a respeito disso”, disse o mandatário da Aprilia. “Enquanto estava viajando para a Indonésia, li algumas notícias, mas a mesma aconteceu quando eu estava indo para o Japão. Acho que a Honda não sabe onde procurar e é certo que façam alguma coisa”, seguiu.

Mesmo entendo a necessidade da Honda de buscar um substituto para Marc Márquez, Rivola deu um aviso na linha do aqui não.

“Eu queria os quatro pilotos que tenho e os coloquei sob contrato para 2024 também. Do meu lado, eles não vão a lugar nenhum”, assegurou. “Nenhum deles me disse nada e eu quero manter todos”, avisou.

“Nós também contratamos um piloto em meados da temporada, o Viñales, mas, naquele caso, ele estava livre”, lembrou.

Habitualmente, os pilotos de equipes satélites têm uma cláusula de saída no caso de oferta de uma fábrica. Foi isso, por exemplo, que permitiu a saída de Álex Rins da LCR em direção a Yamaha. Mas Rivola assegura que este não é o caso de Oliveira.

“Não existe tal cláusula para o Miguel”, frisou Rivola. “Também porque ele tem a intenção e o propósito de ser um piloto de fábrica, ele tem um contrato diretamente conosco”, encerrou.

MotoGP volta às pistas no próximo dia 15, com o GP da Indonésia, que acontece em Mandalika. O GRANDE PRÊMIO faz a cobertura completa do evento, assim como de Moto3 Moto2.

Divórcio de Marc Márquez e Honda é fim de uma era. Mas também inevitável