Sanz/Ekström garante primeira vitória da Sainz XE no Extreme E na Arábia Saudita

Mattias Ekström e Laia Sanz, da Sainz XE, conquistaram a primeira vitória da equipe no Extreme E ao dominarem a corrida 2 do Desert X Prix, disputado na Arábia Saudita

A Sainz XE enfim conquistou sua tão esperada primeira vitória no Extreme E neste domingo (12), ao vencer a corrida 2 do Desert X Prix, etapa que abre a temporada 2023 na Arábia Saudita. A dupla titular, formada por Mattias Ekström e Laia Sanz, liderou a disputa do início ao fim sem maiores problemas, enquanto a Veloce garantiu a segunda colocação após briga apertada com a Rosberg X Racing.

Ekström liderou a Grande Final — corrida que reúne os cinco melhores times da classificação — desde a largada e aproveitou uma briga pelo segundo lugar, travada entre Johann Kristoffersson [da RXR] e Kevin Hansen [da Veloce], para disparar na ponta logo no início. Os dois pilotos alternaram a segunda colocação durante a primeira volta, mas o vencedor da corrida 1 assumiu definitivamente o posto logo no segundo giro.

Na Área de Troca, Ekström cedeu o carro da Sainz XE para Laia Sanz, consideravelmente antes da Veloce trocar Hansen por Molly Taylor. Kristoffersson foi substituído por Mikaela Ahlin-Kottulinsky; R.J. Anderson cedeu o volante para Amanda Sorensen; e Nasser Al-Attiyah assumiu o posto de Klara Andersson.

O Extreme E encerrou sua etapa de abertura com a corrida 2 da Arábia Saudita (Foto: Reprodução/Extreme E)

▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Al-Attiyah, que assumiu o carro no último lugar, rapidamente começou a se aproximar das adversárias. O piloto catari passou por Sorensen na volta seguinte e logo encostou em Kottulinsky, mas não conseguiu ultrapassar a rival da RXR. Lá na frente, a disputa se manteve sem grandes trocas de posição, e a Sainz XE não deu chance para o azar.

No fim, a corrida 2 do Desert X Prix, na Arábia Saudita, terminou na seguinte ordem: Ekström/Sanz [Sainz XE], Hansen/Taylor [Veloce], Kristoffersson/Kottulinsky [RXR], Andersson/Al-Attiyah [Abt Cupra] e Anderson/Sorensen [Ganassi].

A Redemption Race, que reúne as cinco piores equipes da classificação, começou com a X44 na liderança, com Fraser McConnell. Timo Scheider logo superou a McLaren de Tanner Foust para tomar o segundo lugar com a Carl Cox, enquanto Timmy Hansen, da Andretti, e Heikki Kovalainen, da JBXE, completavam a fila.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Hedda Hosas capotou o carro da JBXE na parte final da corrida 2 (Foto: Reprodução/Extreme E)

A briga pela liderança ficou intensa a partir da segunda volta, quando Scheider conseguiu abrir distância em relação a Foust para pressionar o líder McConell. Os dois carros chegaram a se tocar na entrada da Área de Troca, e Christine GZ — que assumiu o volante da Carl Cox — tomou a ponta.

A briga se estendeu até a penúltima volta, mas GZ não conseguiu sustentar a pressão de Cristina Gutiérrez, da X44, e perdeu a primeira posição. A partir daí, a corrida da Carl Cox foi ladeira abaixo: a equipe sofreu com um problema técnico e viu Christine perder ritmo, além de ser investigada por excesso de velocidade em zona de bandeira amarela.

No fim, ainda deu tempo de Hedda Hosas capotar o carro da JBXE, o que a fez abandonar a corrida. Gutiérrez seguiu soberana para vencer com a X44, com Emma Gilmour em segundo lugar com a McLaren e Catie Munnings completando o pódio pela Andretti.