Fittipaldi reconhece méritos em chance na Red Bull: "Não viria sem desempenho"

Enzo Fittipaldi acredita que o pódio na Emília-Romanha foi fundamental para mostrar a si mesmo do que seria capaz na temporada 2022 da Fórmula 2. E isso acabou chamando a atenção da Red Bull

Quem olha para os seis pódios conquistados por Enzo Fittipaldi com a Charouz na temporada 2022 da Fórmula 2 talvez não se lembre que, no final do ano retrasado, o brasileiro passou pelo momento mais difícil de sua carreira, após o grave acidente sofrido em Jedá. Mas depois de um início irregular por estar longe da melhor forma física, Fittipaldi viu o pódio em Ímola como o ponto de virada.

Na Emília-Romanha, terceira rodada do campeonato, Enzo terminou a corrida principal em segundo lugar. Dali em diante, encontrou a motivação que faltava para, em suas palavras, mostrar o que sempre soube: que tinha performance bastante para buscar bons resultados, mesmo com um carro tecnicamente inferior às equipes de ponta.

Relacionadas

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Enzo Fittipaldi e o pódio em Ímola, o ponto de virada na temporada 2022 da F2 (Foto: F2)

"Eu me lembro que, ao olhar para os tempos de cronometragem nas primeiras rodadas, pensava que seria muito mais rápido se estivesse 100% fisicamente", declarou Fittipaldi ao site oficial da F2. "Tudo se tornou mais difícil, eu estava com dor. Com certeza, perdi décimos simplesmente pela dor física que sentia", acrescentou.

Enzo bateu forte na traseira do carro de Théo Pourchaire na largada da corrida principal na Arábia Saudita. Com o impacto, o piloto fraturou o tornozelo e teve escoriações no rosto, precisando passar por cirurgia. Passado o grande susto, hoje olha para trás e se vê um piloto "pessoal, mental e fisicamente mais forte". "Foi uma experiência ruim, mas ao mesmo tempo boa, pois aprendi muito sobre mim."

"O primeiro pódio, que foi uns dois meses e meio depois do acidente, trouxe uma sensação ótima, não só para mim, mas para toda a equipe. Isso meu deu uma enorme motivação, assim como para o time. Em Budapeste, na corrida principal, quando passei de nono para segundo e quase venci, também foi ótimo", acrescentou.

Fittipaldi emplacou 11 rodadas terminando na zona de pontuação e fechou o ano não só com um ótimo resultado na F2, como também com um contrato com a academia de pilotos da Red Bull, anunciado durante o fim de semana da Fórmula 1 em São Paulo. "Sempre soube do que era capaz", frisou o jovem, ressaltando que era apenas "questão de tempo" até tudo se acertar.

"Estou muito feliz com a forma como tudo correu este ano", continuou, salientando a parceria com a Charouz. "A sinergia entre mim e a equipe, essa química, foi muito boa. Sei o que posso fazer e sei que posso terminar entre os três primeiros", seguiu.

"Você não consegue uma oportunidade como essa sem desempenho", destacou Fittipaldi, sobre agora ser parte dos taurinos. "Sou muito grato à Red Bull, ao Dr. Helmut Marko e a Christian Horner por essa oportunidade. A chance que eles estão me dando agora é ainda mais motivadora, e também com mais trabalho duro pela frente. No final, é um grande passo adiante em minha carreira, vou agarrar essa chance e fazer o meu melhor", concluiu o piloto, que, segundo Marko, vai correr na Carlin em 2023.