Red Bull ignora revés e volta forte, mas duelo Ferrari x McLaren promete mais no Japão

Como já era esperado, Max Verstappen e a Red Bull retomaram a costumeira forma e comandaram a sexta-feira de treinos livres em Suzuka, palco do GP do Japão. Ferrari e McLaren se colocaram logo atrás e, embora a diferença entre as ponteiras pareça enorme, há alguns elementos que mascaram a real disputa em Suzuka. O calor e os pneus serão pontos chave de um fim de semana que se desenha mais interessante do que a tabela de tempos faz acreditar

Singapura parece agora apenas um borrão no tempo. Livre dos problemas que a deixaram fora da briga por pole e vitória há pouco menos de uma semana, a Red Bull se reencontrou com a habitual competitividade e deu um suspiro de alívio no momento em que Max Verstappen ganhou a pista de Suzuka nesta sexta-feira (22). Em um traçado mais amigável ao RB19, o holandês não encontrou qualquer dificuldade para retomar a forma costumeira e comandou o dia de treinos livres com folga. É favorito de novo. Mas nem tudo é o que parece neste início de fim de semana nipônico da Fórmula 1.

Sim, a performance dos taurinos é genuína. O carro austríaco se adapta bem aos trechos rápidos — especialmente ali no primeiro setor do circuito japonês — e ainda gera o equilíbrio necessário para virar voltas consistentes. Por isso, o ritmo não foi uma surpresa notar que Verstappen surgiu na ponta da tabela com alguma vantagem. No primeiro treino, o bicampeão liderou com 0s6 para a Ferrari de Carlos Sainz. Mas foi a segunda sessão que trouxe mais informações sobre o que esperar, de fato, do sábado e domingo.

Relacionadas

Verstappen terminou o TL2 com 1min30s688, mais 0s320 melhor que a SF-23 guiada por Charles Leclerc. Aí existe a primeira de algumas ressalvas interessantes: o piloto do carro #1 precisou de dois jogos de pneus para alcançar essa marca. E foi o único, nesta fase de simulação, a lançar mão de dois conjuntos. Tudo isso por conta da busca por uma melhor performance da volta única — na realidade, o aquecimento correta para o giro decisivo. Ainda há o fato de que a Honda preparou também uma nova unidade de potência para sua corrida caseira. E ainda tem o ritmo de corrida.

+5 coisas que aprendemos na sexta-feira do GP do Japão da Fórmula 1 2023

De fato, a Red Bull também comandou a simulação do desempenho de prova, estabelecendo uma performance contundente. Em média, 0s3 mais rápido que Oscar Piastri, que se destacou nesse quesito com os compostos macios, e Leclerc, de médios. Só que Max andou por boa parte do treino com os pneus C2 experimentais da Pirelli, que são um pouco mais duros que o C2 atual, então pode existir aí alguma dissemelhança com o real ritmo, principalmente na comparação com os demais. Também entra nessa equação o desgaste dos pneus: tudo culpa do calor excessivo combinado com uma pista exigente e muito abrasiva como a de Suzuka. Como outros, o líder do campeonato também sofreu.

"Desde a primeira volta, o carro estava novamente agradável de pilotar, tivemos um dia forte nos longos e nos curtos trechos”, falou Max, para em seguida destacar o papel dos pneus. "Há muito desgaste nesta pista, portanto, será difícil para os pneus na corrida, mas de longe, acho que tivemos um bom começo de final de semana", continuou o holandês.

É importante também colocar aqui que esse alto rendimento foi notado apenas no trabalho de Verstappen. Sergio Pérez seguiu com problemas e não encontrou um acerto mais adequado ao longo do dia, o que o fez despencar na tabela de tempos.

Enquanto isso, a Ferrari seguiu seu caminho de boas decisões. Depois de vencer e quebrar a sequência dos rivais taurinos, a escuderia se preparou novas peças para o GP do Japão. E nesta sexta-feira, testou um assoalho para garantir uma melhor eficiência aerodinâmica. Pela manhã, foi Sainz quem andou com a atualização. À tarde, Leclerc passou a examinar a peça. Ambos aprovaram, e o carro vermelho continuou muito veloz — o melhor nos trechos mais rápidos, mas há uma pesada preocupação com a degradação dos pneus, uma falha ainda na SF-23.

“Verstappen marcou a volta mais rápida, a pista causa alto desgaste [nos pneus], não é a condição ideal”, admitiu o chefe Frédéric Vasseur. “Mas vamos ver”, completou. "Mas até agora, tudo está correndo bem. Fizemos um bom teste com os pneus macios. Não quero exagerar no otimismo, mas tudo está indo bem", completou o francês.

De fato, os compostos macios são a força da Ferrari, especialmente em volta única. Isso quer dizer que, diante das novidades, e do potencial em classificação, a escuderia deve entrar na briga pela pole neste sábado, muito embora a corrida reserve outras questões, como a McLaren. Ainda assim, dá para dizer que as duas têm forças equivalentes e devem travar um novo duelo neste fim de semana.

Isso porque a equipe laranja aprimorou o eficiente pacote aerodinâmico levado para a Singapura e agora o instalou em ambos os carros — em Marina Bay, apenas Lando Norris pode andar com as novidades. Ainda é necessário algum trabalho em termos de volta única, mas a McLaren possui um desempenho de corrida dos mais fortes. "O ritmo foi muito bom hoje, provavelmente um dos mais próximos à Red Bull. É encorajador, apesar da difícil pilotagem aqui por conta da baixa aderência na pista”, analisou Norris, o terceiro colocado do dia, a 0s4 de Verstappen, mas menos de 0s1 atrás de Leclerc.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

"Acho que não estamos longe, mas lutar pela pole será um desafio muito grande”, reconheceu. Lando também citou a Mercedes e a Aston Martin como possíveis adversárias. Verdadeiramente, não se pode descartar nenhuma delas. O carro verdinho foi melhor no ritmo de corrida com Fernando Alonso, mas as Flechas Pretas tiveram mais problemas, sobretudo com relação ao desgaste dos pneus. Será um jogo de estratégia interessante em Suzuka, dentro da disputa do 'melhor do resto'.

Fórmula 1 retorna no final da noite de sexta-feira (22), às 23h30 (de Brasília, GMT-3), para a disputa do terceiro treino livre válido para o GP do Japão. Depois, na madrugada de sábado, às 3h, acontece a sessão que define o grid de largada da corrida em Suzuka. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades AO VIVO e em TEMPO REAL. No sábado e no domingo, classificação e corrida também contam com transmissão em SEGUNDA TELA, NA GPTV, EM PARCERIA COM A VOZ DO ESPORTE.