Norris critica falta de punição a Verstappen e dispara: "Parece difícil olhar os retrovisores"

Lando Norris cobrou punições mais severas em caso de bloqueio de outros piloto em pista, como aconteceu entre Max Verstappen e Yuki Tsunoda em Singapura. E ainda soltou o verbo contra pilotos que "parecem ter dificuldade de olhar pelo retrovisor"

A não punição a Max Verstappen por ter bloqueado Yuki Tsunoda na classificação do GP de Singapura, última etapa do campeonato, não foi muito bem digerida pelos demais pilotos do grid, a começar por Lando Norris. O inglês foi claro ao dizer que é responsabilidade do piloto olhar os retrovisores durante a volta, mas afirmou que "muitos parecem ter dificuldades de fazer isso na Fórmula 1".

Verstappen ficou na mira dos comissários da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) por três situações, na verdade: ainda no Q1, bloqueou a saída do pit-lane por 14s de propósito para abrir distância para os demais carros, atrapalhando o duo da Mercedes; depois, bloqueou Logan Sargeant na sequência em meio ao intenso tráfego de carros; por fim, bloqueou Tsunoda no Q2, fato que custou ao japonês avançar para a parte final da sessão.

Relacionadas

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Lando Norris não poupou críticas à FIA (Foto: McLaren)

Max recebeu reprimendas pelo lance no pit-lane e envolvendo Tsunoda — o caso com o piloto japonês ainda rendeu uma multa de € 5 mil (R$ 26 mil, na cotação atual).

"Não quero falar muito, porque vai criar controvérsia, mas acho que o bloqueio na pista era um que deveria ter sido punido", disse Norris aos jornalistas durante a coletiva de imprensa desta quinta-feira (21), em Suzuka.

"Ele bloqueou alguém. Não depende só da equipe. Sei que o time foi multado ao final do dia, mas deve ser também responsabilidade do piloto olhar os retrovisores. Não há mais nada a ser feito a volta inteira além de olhar os retrovisores. E parece que muitos têm dificuldade de fazer isso", salientou, cobrando, inclusive, uma punição "mais severa" em situações que envolvam impedimento de outro piloto em volta rápida, como aconteceu com o representante da AlphaTauri.

"Acho que a punição por bloquear alguém deveria ser mais severa, pois muitos fazem isso. Acaba com a sua volta, com a sua classificação. Isso deixou Yuki fora da classificação, e ele liderou o Q1", ressaltou Norris, que seguiu em seu discurso:

"Ninguém parece se importar o suficiente, e isso aconteceu muito na temporada, aconteceu comigo algumas vezes, especialmente com certas equipes, mas também cabe ao piloto olhar os retrovisores. Ele não tem mais nada a fazer a não ser apertar o botão de recarga e olhar pelo espelho, mas as pessoas parecem ter dificuldade em conseguir fazer isso na Fórmula 1, o que é uma surpresa", disparou, afirmando que "provavelmente bloquearei alguém neste fim de semana e me farei de bobo".

Também presente na mesma rodada de entrevistas, Charles Leclerc admitiu ter ficado "um pouco surpreso" por Verstappen ter escapado de uma sanção mais efetiva. E o monegasco alertou para as brechas que tal decisão pode abrir.

"Isso pode abrir brecha para situações muito ruins no futuro. Mas é sempre uma abertura para se discutir com a FIA e tentar explicar a eles qual o nosso ponto de vista para melhorar. Tenho certeza de que teremos discussões no briefing à noite", acrescentou o piloto da Ferrari.

Maior prejudicado na situação, Tsunoda começou dizendo que não queria falar sobre os acontecimentos em Marina Bay, mas que, "no geral, sendo honesto, parece que eu sou o que está levando punições bastante consistentes".

"Mas é isso. Falei com a FIA em Monza, então posso entender o que eles estavam pensando", concluiu Tsunoda.

Fórmula 1 volta neste fim de semana, em Suzuka, para o GP do Japão, 16ª etapa da temporada 2023. E o GRANDE PRÊMIO acompanha tudo.