Fórmula 1 promete "motores mais barulhentos" com novo regulamento de 2026

Segundo Stefano Domenicali, a Fórmula 1 pretende aumentar o volume dos motores a partir do novo regulamento em 2026, em resposta às antigas e persistentes reclamações dos fãs

Uma das reclamações entre os fãs da Fórmula 1 nos últimos anos, o baixo volume dos atuais motores dos carros, pode estar com os dias contados. Segundo Stefano Domenicali, CEO da categoria, a intenção é que o barulho das unidades de potência seja mais alto a partir da introdução do novo regulamento, em 2026.

Em 2014, a F1 viu a mudança dos motores aspirados V8 de 2.4L pelos turbo V6 híbridos de 1.6L, o que deixou as corridas menos barulhentas, levando, à época, muitas reclamações entre os espectadores das provas, principalmente os que assistiam in loco. A Fórmula 1 tomou algumas medidas para voltar a aumentar o volume das unidades de potência dos carros, mas ainda assim, ficou longe de como era antes da alteração.

Relacionadas

“A intenção é garantir que no novo regulamento o barulho do motor seja maior, porque isso faz parte da nossa emoção. É realmente o que nossos fãs querem ouvir e temos de nos comprometer com isso”, disse Domenicali à rádio australiana 3AW.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

As novas regras de 2026 irão reter os V6, mas com uma grande diferença. A recuperação de energia cinética através do MGU-K será aumentada e o MGU-H (sistema de recuperação de energia térmica) será abolido. Com essas mudanças, o dirigente da F1 foi perguntado se o barulho dos motores poderia se aproximar do som da Fórmula E.

Felipe Drugovich (Foto: Aston Martin/Divulgação)
Conversas assim terão de ser mais próximas ainda, segundo a F1 (Foto: Aston Martin/Divulgação)

"Não, claramente não”, disse o italiano. "Precisamos ter um som diferente. (O barulho antigo) Era música para os meus ouvidos. Quando tínhamos os (motores) 12 cilindros, era uma frequência diferente, muito alta. E depois dez, oito, seis – não vamos continuar diminuindo isso. É uma situação bem diferente (da Fórmula E)".

A redução de volume dos motores se deu devido a seu menor tamanho, um corte acentuado no limite máximo de rotações e o maior aproveitamento da recuperação de energia por meio dos geradores cinéticos e térmicos. A volta do som mais alto é defendida por nomes importantes da F1, como o chefe de equipe da Red Bull, Christian Horner.

"O barulho é parte da emoção. Faz parte do DNA do esporte”, afirmou o inglês no início deste ano. "É engraçado como você se acostuma com as coisas, porque os V6 com os sistemas de recuperação de energia são muito mais silenciosos do que os antigos V10s e V12s ou mesmo os V8s. Então, agora, quando lançamos um show car e você ouve um motor mais antigo, todos os mecânicos largam suas ferramentas para ir assistir ao carro”, completou.

Fórmula 1 volta em duas semanas, entre os dias 30 de junho e 2 de julho, com o GP da Áustria, em Spielberg, nona etapa da temporada 2023. E o GRANDE PRÊMIO acompanha tudo.