Fórmula 1 se preocupa com disparidade e debate volta da equalização de motores

De acordo com a revista inglesa Autosport, as equipes da F1 vão conversar sobre a possibilidade da volta da equalização dos motores. Preocupação é sobre a disparidade de performance entre os atuais construtores

A disparidade de performance é uma preocupação real dentro da Fórmula 1. Por isso, de acordo com a revista inglesa Autosport, as equipes vão se reunir para debater a volta da equalização dos motores. A discussão vai acontecer na próxima reunião da Comissão de F1, no fim de semana do GP da Bélgica.

Segundo a publicação, o assunto entrou em pauta após uma análise da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) sobre a performance das unidades de potência atuais. A Autosport revela que fontes indicaram que o estudo do desempenho dos propulsores indicou que o motor Renault está entre 15 e 25 Kw (20 e 33 hp) abaixo dos rivais.

Desempenho dos motores Renault é fonte de preocupação (Foto: AFP)

Relacionadas

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

A solução dessa disparidade, porém, não é simples, já que, pelo regulamento atual, existem limites severos em relação ao que pode ser modificado por conta do congelamento em vigor até 2025. As regras atuais determinam que modificações podem ser feitas “somente por questões de confiabilidade, segurança, contenção de custos ou mínimas mudanças incidentais”.

A equalização dos motores foi usada na Fórmula 1 na era dos V8, em 2007, para permitir a aproximação após alguns construtores aproveitarem alterações relativas a confiabilidade para aumentar a performance. Desta vez, a categoria optou pelo congelamento de motores a partir de 2022 — sem deixar margem para equalização — por entender que performance de todos os construtores estava em um nível similar o bastante.

Ainda não se sabe, porém, como essa uniformização seria feita. Em 2009, após uma investigação formal sobre a disparidade dos motores, a FIA afirmou que a equalização seria feita reduzindo a performance das melhores unidades. No entanto, não houve acordo na época.

Além dos motores, a reunião da Comissão de F1 também vai abordar o debate sobre o fim dos cobertores de pneus, além de potenciais mudanças no formato dos fins de semana com corridas sprint.

Fórmula 1 retorna neste domingo para a disputa do GP da Hungria, com largada prevista para as 10h (de Brasília, GMT-3). O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades da temporada 2023 AO VIVO e em TEMPO REAL. Antes, a partir das 9h40, o GP abre a transmissão em segunda tela no canal 1 do YouTube, em parceria com a Voz do Esporte.