Leclerc se junta a coro sobre não-punição a Verstappen: "Ruim para o futuro"

Charles Leclerc lembrou a falta de punições a Max Verstappen em Singapura e acredita que pode ser um precedente para o futuro da F1

A falta de punições a Max Verstappen no GP de Singapura pode abrir um precedente perigoso na Fórmula 1. É no que acredita Charles Leclerc, depois do piloto da Red Bull ter ficado sob investigação por conta de três incidentes distintos na classificação e se livrado de todos.

O primeiro aconteceu ainda no Q1, quando, com os boxes já liberados perto dos minutos finais, Verstappen resolveu segurar a fila que se formou logo atrás dele por alguns segundos. Depois, no Q2, a direção de prova colocou Max sob investigação mais uma vez por atrapalhar Yuki Tsunoda, que vinha em volta rápida. Pelo rádio, o japonês não economizou nas reclamações. E ainda teve um bloqueio em Logan Sargean, totalizando três manobras suspeitas.

Max Verstappen não foi punido em Singapura (Foto: Red Bull Content Pool)

Relacionadas

“Fiquei um pouco surpreso, especialmente [em relação à não punição] do pit-lane, porque isso pode abrir situações muito ruins no futuro. É sempre uma discussão aberta com a FIA e tentamos sempre explicar qual é o nosso ponto de vista e melhorar. Tenho certeza de que teremos essa discussão no briefing [dos pilotos]", colocou Leclerc.

Lewis Hamilton, um dos atrapalhados no pit-lane, foi na mesma linha do monegasco e buscar insistir em consistência nas decisões do órgão regulador.

“Estava no pit-lane quando todos pararam e não consegui ver o que estava acontecendo à frente. Sempre pressionamos e trabalhamos o mais próximo possível da FIA para ter consistência e há alguma variação [nas decisões], por isso precisamos continuar a trabalhar nisso com certeza", encerrou.

Fórmula 1 volta neste fim de semana, em Suzuka, para o GP do Japão, 16ª etapa da temporada 2023. E o GRANDE PRÊMIO acompanha tudo.