Sainz vê subida da Ferrari no Canadá, mas espera oscilações: "Ritmo varia muito"

Carlos Sainz preferiu não se animar muito com o desempenho da Ferrari no GP do Canadá e disse que o ritmo do carro varia bastante conforme as características de cada pista

A Ferrari conseguiu realizar um fim de semana sem sustos no GP do Canadá, demonstrando ritmo desde o primeiro dia de atividades, e colocou Charles Leclerc e Carlos Sainz em quarto e quinto lugares ao fim da corrida, respectivamente. Apesar do bom resultado conquistado pelo time italiano, o piloto espanhol disse ter sentido que era possível brigar mais à frente caso as posições de largada da equipe fossem melhores.

"[A corrida] representou uma certa subida, depois de uma classificação difícil", apontou Sainz, que largou em 11º após levar uma punição de três posições no grid. "Neste fim de semana, nós claramente tivemos mais ritmo do que nossa posição de largada indicava", afirmou.

Relacionadas

"Senti que teríamos nos divertido mais à frente se tivéssemos nos classificado melhor", admitiu. "Mas sim, tivemos um ritmo sólido, e a estratégia também. Conseguimos levar quarto e quinto lugares para casa", destacou.

▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Carlos Sainz saiu da 11ª posição para terminar em quinto no GP do Canadá (Foto: Ferrari)

Questionado se teria ritmo para brigar com a Aston Martin de Fernando Alonso e a Mercedes de Lewis Hamilton, que terminaram no pódio, Sainz disse acreditar que sim e novamente culpou as posições de largada pela ausência na disputa.

"Sim, acho que teria sido uma boa batalha entre três equipes diferentes", frisou o espanhol. "Então, sim, culpa nossa por não termos feito uma classificação melhor. Obviamente, a punição também não ajudou. Mas, pelo menos, temos alguns pontos positivos para nos animar", ressaltou.

Sobre o ritmo da Ferrari, Sainz disse que o carro italiano varia muito de acordo com as características de cada pista. Enquanto o traçado de Barcelona, com suas curvas rápidas, não se adequou ao conjunto, a pista mais fria e as viradas mais lentas do Canadá se encaixaram perfeitamente com a SF-23.

"Eu disse, depois de Barcelona, que sabia que a Espanha não seria uma boa pista para nós", relembrou. "Eu sabia que o Canadá seria uma pista melhor. O ritmo já havia sido confirmado na sexta-feira, e hoje [domingo] nós apenas confirmamos que é um circuito com menos desgaste", disse.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

O espanhol evitou prever como será o desempenho da Ferrari em pistas de mais velocidade, como Áustria e Inglaterra (Foto: AFP)

"E ainda possui curvas de baixa velocidade, o que sabemos que somos fortes", apontou. "Poderíamos ter mostrado um pouco de nosso verdadeiro ritmo, vamos ver como serão os circuitos de mais velocidade, como Áustria e Silverstone", comentou.

Prevendo como será o comportamento do carro ferrarista nas duas próximas etapas da temporada, Áustria e Inglaterra, Sainz novamente destacou que as características de cada pista serão fundamentais para entender o rendimento da escuderia.

"Acho que nosso ritmo na Áustria também vai depender das características do circuito", admitiu. "Dependendo disso, nosso ritmo varia bastante. Vimos que lugares como Mônaco são melhores do que lugares com curvas de alta velocidade, como Barcelona — em que sofremos mais. Acho que veremos variações em nossa competitividade", finalizou.

GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades da Fórmula 1 2023 AO VIVO e EM TEMPO REAL. A próxima etapa está marcada para acontecer entre 30 de junho e 2 de julho, com o GP da Áustria. No sábado e no domingo, há também a segunda tela, em parceria com a Voz do Esporte.