Albon diz que Williams apressou atualizações para GP do Canadá: "Apostamos tudo"

A Williams levou um carro repaginado ao GP do Canadá, incluindo um novo motor, e foi recompensada com o melhor resultado desde a implementação do novo regulamento, em 2022

A Williams chegou ao GP do Canadá com mudanças profundas em seu carro, e o resultado final de Alexander Albon, sétimo colocado, deixou a equipe com uma sensação de dever cumprido no Circuito Gilles Villeneuve. Foi a melhor posição de chegada do time britânico sob o novo regulamento técnico da Fórmula 1, que estreou no ano passado, e o tailandês ressaltou a importância de ter 'apressado' as atualizações na conquista dos seis valiosos pontos.

"Nós tivemos um ótimo carro neste fim de semana", celebrou Albon. "Não posso agradecer à equipe o suficiente. Estive na fábrica bastante nas últimas duas semanas em termos de trabalho no simulador, mas também com James [Vowles], e não posso dizer a vocês o quanto estávamos devendo com as atualizações após Barcelona", explicou.

Relacionadas

"Estávamos no limite", admitiu. "Decidimos adiantar as atualizações no Canadá, e James e eu fomos encontrar as pessoas na fábrica e discutir isso com elas — precisávamos ter as peças prontas no Canadá. Seria nossa única chance antes de uma corrida como Monza chegar. Os caras trabalharam demais para aprontar tudo", elogiou.

▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Albon garantiu o melhor resultado da Williams desde o início de 2022 (Foto: AFP)

Albon admitiu que a equipe sofria pressão para demonstrar resultados em mais uma temporada difícil na Fórmula 1. Assim, apostou tudo na etapa do Canadá, inclusive com um novo motor, e foi recompensada com uma velocidade de reta que garantiu segurança sobre os ataques de Esteban Ocon no fim da corrida.

"É ótimo poder atualizar o carro. Colocamos até uma nova unidade de potência neste fim de semana, apostamos tudo nessa etapa", admitiu. "Havia certa pressão, sob alguns aspectos, para entregarmos [resultados] neste fim de semana. E conseguimos", destacou.

O piloto tailandês, inclusive, teve a oportunidade de viver um momento que tem se tornado raro para a Williams na F1: liderar um pelotão. Longe dos seis primeiros, Albon precisou sustentar a pressão de Ocon até a última volta para garantir os pontos e disse que o fato o fez lembrar dos dias em que liderava corridas na Fórmula 2 e na Fórmula 3.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Segundo Albon, a Williams apostou forte no GP do Canadá (Foto: Williams)

"Eu sempre, mesmo nos dias de F3 e F2, gostei de liderar o pelotão e controlá-lo", disse. "Obviamente, eu não estava liderando a corrida, mas estava liderando [um pelotão] naquele momento — você pode chamar de corrida intermediária", afirmou.

"É quase como se você fizesse apenas o suficiente para mantê-los atrás e garantir que você tenha o suficiente no tanque para chegar ao fim da corrida", apontou. "É algo complicado de gerenciar. Não teria conseguido fazer isso sem um bom carro", finalizou.

GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades da Fórmula 1 2023 AO VIVO e EM TEMPO REAL. A próxima etapa está marcada para acontecer entre 30 de junho e 2 de julho, com o GP da Áustria. No sábado e no domingo, há também a segunda tela, em parceria com a Voz do Esporte.