Marc Márquez prega cautela e admite que Japão “pode ser problema” para parte física

O fim de semana em Aragão passou longe do planejado para Marc Márquez. Agora, em Motegi, o hexacampeão prevê uma corrida muito mais exigente fisicamente

Marc Márquez terá um desafio e tanto neste fim de semana, no Japão, e isso porque o retorno na etapa passada, em Aragão, passou longe planejado. Agora, o hexacampeão tem se mostrado bastante cauteloso no exigente circuito de Motegi e admitiu que a parte física pode, sim, ser um problema para o seu desempenho.

O espanhol foi liberado pelos médicos para voltar à MotoGP como parte do processo definitivo de recuperação após a quarta cirurgia no braço direito. E o cenário não poderia ser melhor: o Motoland, um dos circuitos favoritos de Márquez e anti-horário, com mais curvas para a esquerda. Mas a alegria durou algumas curvas, pois o #93 acabou se envolvendo numa batida com Fabio Quartararo e, depois, com Takaaki Nakagami, dando adeus à prova.

📺 Onde assistir ao vivo GP do Japão de MotoGP

Marc Márquez terá desafio no Japão (Foto: Gold & Goose/ Red Bull Content Pool)

“Aragão já estava sendo fisicamente exigente para mim, mas Motegi, pelas características da pista, será o primeiro teste de alta tensão para o meu braço”, disse Márquez à imprensa. “Em Aragão, eu disse que a corrida não seria um problema quanto à parte física; Motegi pode ser”, reconheceu.

Na etapa de Aragão, a maior frustração de Marc foi ter abandonado sabendo que tinha, em sua palavras, “ritmo e velocidade para brigar”. “Estava preparado”, acrescentou, dizendo em seguida que as atividades deste fim de semana, em Motegi, serão o grande teste para ele e a Honda.

“Em Aragão, fui pior na primeira sessão do que na segunda. O braço me permite pilotar de forma natural em uma volta, mas ainda tenho de fortalecê-lo para os stints longos”, explicou Márquez.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Por fim, o espanhol falou sobre a visita que fez à sede da Honda, aproveitando o retorno da MotoGP ao Japão após três anos. “Foi importante estar na HCR para acompanhar o que eles têm feito e motivá-los. Não sou engenheiro, sou apenas um piloto, e como tal, quero uma moto que funcione, que seja rápida, que freie, que me permita pilotar. Posso dar minha opinião, mas são os engenheiros que decidem qual caminho seguir. Por conta das instalações que possui, a Honda tem potencial para voltar ao topo”, concluiu.

O segundo treino livre para o GP do Japão de MotoGP, em Motegi, está marcado para esta sexta-feira, as 22h50 (de Brasília). O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do Mundial de Motovelocidade 2022.

LEIA TAMBÉM
Ducati bate martelo e especifica distribuição dos modelos para temporada 2023
Biaggi se diz envergonhado por ato de mecânicos em Aragão: “Impossível defender”
MotoGP encaminha acordo para entrada da Índia no calendário “em futuro próximo”
Impacto da moto no peito de Quartararo causou estouro no zíper de traje, diz fabricante
Incêndio em box da Moto2 no Japão destrói equipamentos da Marc VDS
Bagnaia rejeita ajuda e diz que prefere “vencer na pista”: “Não porque me deixaram passar”
Marc VDS diz que curto em carregador causou incêndio em box da Moto2 no Japão
Marc Márquez exalta cultura e lembra bombeiros antigos em capacete para Japão

O post Marc Márquez prega cautela e admite que Japão “pode ser problema” para parte física apareceu primeiro em Grande Prêmio.