Dixon lamenta final “frustrante” em Laguna Seca e foca em hepta: “Tudo que importa”

Scott Dixon não conseguiu escalar o pelotão na última etapa da temporada da Indy em Laguna Seca e viu o rival Will Power ficar com o título de 2022

Scott Dixon chegou para a última etapa da temporada da Indy em Laguna Seca com uma desvantagem de 20 pontos para Will Power na briga pelo título. Na corrida deste domingo (11), Dixon não teve o mesmo ritmo do companheiro Álex Palou, que venceu a primeira em 2022, acabou apenas na 12º posição e viu Power conquistar o título com um terceiro lugar. O piloto da Ganassi lamentou a falta de ritmo em Monterrey que o impediu de brigar de fato pelo campeonato até o final.

“No final das contas, nós não tínhamos o ritmo necessário. Acho que foi uma corrida estranha, nós tentamos tudo o que podíamos, tentamos fazer paradas rápidas, mas sempre voltamos com tráfego e tivemos um stint em que tivemos ar livre e nosso ritmo foi semelhante ao dos líderes. Então foi frustrante, nós não conseguimos trazer o que precisávamos”, lamentou o neozelandês após o GP de Laguna Seca.

“Parabéns ao Palou e obviamente enormes felicitações ao Will Power, ele teve um ano tremendo, parabéns pelo bicampeonato. Você vence alguns e perde alguns, sei que este time nunca desistiu, demos o nosso máximo durante todo o ano e infelizmente terminamos em terceiro”, afirmou Scott.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Scott Dixon sonha com o heptacampeonato da Indy (Foto: IndyCar)

LEIA MAIS: 
+Power revela premonição de esposa e se diz “aliviado” após bicampeonato da Indy
+Palou elogia “carro incrível” em despedida da Ganassi com vitória em Laguna Seca
+Vice, Newgarden esquece ano “difícil” e já projeta 2023: “Vou voltar mais forte”

Com o resultado do GP de Laguna Seca, Scott terminou a temporada na terceira posição com 521 pontos, 39 atrás do campeão Power e 23 atrás de Josef Newgarden. Dixon poderia ter levado o título caso tivesse vencido as 500 Milhas de Indianápolis em maio, mas o veterano de 42 anos acabou deixando o triunfo escapar depois de liderar boa parte da prova.

Scott ressaltou que a busca pelo histórico heptacampeonato, para empatar o lendário AJ Foyt, segue sendo sua prioridade, junto com o desejo por uma segunda vitória no Brickyard que teima em não vir.

“É tudo o que importa, cara. E a Indy 500. Vamos trabalhar, talvez venceremos ano que vem, talvez não, talvez seja no ano seguinte. Vamos continuar a dar nosso máximo para tornar isso possível. Tem sido um prazer para mim fazer parte desta equipe e infelizmente não conseguimos neste ano”, concluiu Dixon.

O post Dixon lamenta final “frustrante” em Laguna Seca e foca em hepta: “Tudo que importa” apareceu primeiro em Grande Prêmio.