Horner vê F1 atual "mais técnica" e diz que forma com Wolff "dupla de dinossauros"

Christian Horner diz que até aprova as ideias dos chefes de equipe da nova geração, mas crê que a F1 se tornou mais técnica e, por isso, ele e Wolff são os últimos da 'velha guarda'

Com as recentes reestruturações e formações no grid, Christian Horner chegou a um veredicto: ele e seu histórico rival, Toto Wolff, são os últimos chefes de equipe da Fórmula 1 da 'velha guarda', em termos de comando ou mesmo de ideias, ainda que goste e aprove o estilo da nova geração.

 "Suponho que Toto [Wolff] e eu somos talvez dois dos personagens mais 'dinossauros' em comparação com alguns", disse ele em entrevista ao podcast ESPN Unlapped. "Embora eu ainda esteja no lado mais jovem dos chefes de equipe, a dinâmica e a definição do que é um chefe de equipe hoje em dia é muito diferente de quando cheguei a este cargo", continuou

[relacionadas]

"Acho que muitos deles estão agora mudando de formações técnicas, onde estão muito focados em aspectos técnicos e talvez voltados para os regulamentos, em vez de realmente pensar nos negócios e no quadro geral", seguiu.

:seta_para_frente: Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
:seta_para_frente:Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

TOTO WOLFF; CHRISTIAN HORNER; F1; FÓRMULA 1; GP DE ABU DHABI;
Horner diz que é 'dinossauro' na F1 com Wolff (Foto: Bryn Lennon/Getty Images/Red Bull Content Pool)

O britânico é chefe dos taurinos desde 2005, com o nascimento da equipe Red Bull na F1. Já o austríaco começou a fazer parte da elite do automobilismo mundial quando comprou parte da Williams em 2009, passando a fazer parte do conselho administrativo. Em janeiro de 2013, deixou o time de Grove para se tornar um dos diretores executivos da base em Brackley.

E na época em que ambos os dirigentes adentraram o universo da F1, nomes clássicos, polêmicos e de uma antiga geração andavam pelo paddock.

“Quando entrei no esporte, havia Ron Dennis, havia Flavio Briatore, havia Eddie Jordan, havia Jean Todt. Havia Bernie Ecclestone, havia Max Mosley lá, Frank Williams – alguns personagens e personalidades realmente grandes", acrescentou Horner.

"É claro que agora você olha ao redor da sala, talvez seja apenas eu envelhecendo, mas há mais chefes lá e ficou muito mais técnico a realmente empreendedor", encerrou.